60 propostas para o desenvolvimento do turismo local em Guapimirim (RJ)

 

Em janeiro de 2015 uma antiga promessa começou a ser cumprida em nossa cidade: a inserção de Guapimirim no mapa turístico brasileiro. Frente ao total descaso do poder público municipal, sempre omisso quanto à real busca por desenvolvimento socioambiental, dois jovens guapimirienses decidiram investir tempo e energia em uma causa: estruturar, em conjunto com a comunidade local, a primeira agência de turismo receptivo do município. Surgia assim a GuapimirimTur.

O empreendimento social foi pioneiro em realizar um mapeamento inédito de nossos atrativos; desenvolver estudos para compreender um cenário até então desconhecido; mergulhar na história local em busca do autoconhecimento necessário; envolver e valorizar mais de 70 pessoas em um projeto inovador; promover estrategicamente nossas maravilhas; estruturar uma lógica sustentável de atuação que tende a moldar futuros concorrentes em prol de uma cidade mais justa e consciente; posicionar diariamente o município como um destino turístico de alto valor (e vê-lo sendo assim reconhecido nos anos seguintes); e lançar o primeiro site com conteúdo 100% dedicado ao turismo de Guapimirim. Demos início também à realização do sonho de toda uma gente. Mostramos na prática ser possível fazer acontecer sem a necessidade de comprometer nossos valores. Seguimos atuando de forma independente, mas colaborativa. Conquistamos espaços jamais ocupados pela cidade. Apresentamos este pequeno paraíso a milhares de pessoas com orgulho, paixão e responsabilidade! Desde então, nossa expectativa era por um despertar de nossos representantes quanto à urgente necessidade de tornar o Turismo uma prioridade – o que infelizmente ainda não aconteceu de maneira concreta.

No final de 2016, empregamos parte de nosso conhecimento e experiência na produção colaborativa e espontânea de 60 sugestões para os gestores públicos que no ano seguinte assumiriam o comando do Poder Executivo. No dia 6 de janeiro de 2017, foram protocoladas três vias de igual teor aos excelentíssimos prefeito, vice-prefeito e então secretário de Turismo. O documento também foi publicado na página do Visite Guapi no Facebook, contando com dezenas de curtidas, comentários e compartilhamentos em apoio à iniciativa (confira aqui). No entanto, nos quatro anos de sua gestão (2017 – 2020), somente quatro – das 60 propostas – foram implementadas de forma parcial. Ainda assim, cabe aqui reconhecer os avanços que o turismo local obteve na esfera pública durante os dois primeiros anos deste último mandato, em grande parte devido ao empenho dos profissionais que atuaram na Secretaria de Turismo, que em seguida foi praticamente extinguida.

Este documento conta com ideias e dicas resumidas a serem analisadas, projetadas e implementadas dentro de um plano macro com um único propósito: fazer de Guapimirim uma referência para o setor turístico, transformando para melhor a vida de moradores e proporcionando experiências de valor aos nossos visitantes. Vale frisar que deixamos de fora deste documento algumas recomendações básicas ligadas a temas primordiais para o setor, como qualificação profissional, infraestrutura e ordem pública, pela obviedade de pré-requisitos tão essenciais para que as demais ações aqui apresentadas sejam desenvolvidas.

Portanto, protocolamos novamente duas vias atualizadas e de igual teor na data de hoje, 6 de janeiro de 2021, aos excelentíssimos Marina Pereira da Rocha Fernandez e Natalício Correa Da Silva, respectivamente prefeita e vice-prefeito de Guapimirim, com as seguintes propostas para o desenvolvimento do Turismo em Guapimirim:

1 – ANÁLISE E EXECUÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TURISMO
Embora de maneira deficitária, a gestão anterior produziu, com o auxílio do Sebrae-RJ, o Plano Estratégico de Turismo em Guapimirim. Existe a necessidade de revisar tal material, em conjunto com o trade turístico local, além de aprofundar e aperfeiçoar as etapas de inventário turístico, pesquisa de demanda, diagnóstico, prognóstico, consultas públicas e plano de ações – que precisa ser executado por técnicos do setor. Link para o documento na íntegra: http://www.descubraguapi.com.br/Planejamento_Estrategico_de_Turismo_em_guapi.pdf

 

2 – REATIVAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO
Além de atuar como um fiscalizador do poder público municipal, o Conselho Municipal de Turismo – formado por representantes da Prefeitura e da sociedade civil – deve cumprir ainda seu papel consultivo, deliberativo, normativo e propositivo. Pode também intermediar a relação com a iniciativa privada para, por exemplo, realizar programas e projetos inclusos no PDT por meio de recurso do Fundo Municipal de Turismo.

 

3 – INFORMAÇÕES TURÍSTICAS
Reestruturar o Centro de Informações ao Turista, logo após a entrada principal de Guapi, a fim de recepcionar e informar os visitantes que chegam e também os moradores interessados em explorar mais a própria cidade. Além de reunir o material de agências, restaurantes, ateliês, clubes, espaços culturais, pousadas e hotéis, o local precisa oferecer guias turísticos, mapas e atendimento em PT, ES e EN, com informações sempre precisas e atualizadas.

 

4 – POSTOS DE ATENDIMENTO
Construção de três novos centros de informação em regiões estratégicas do município: entrada do Vale das Pedrinhas, próximo ao Mirante do Soberbo e Parada Modelo. Cada posto deve ressaltar as atrações mais próximas, reforçando a geografia única de Guapimirim e divulgando também os demais atrativos locais, além de aproveitar o grande fluxo de pessoas que circulam pelas rodovias BR-116 (Santos Dumont), BR-493 (Magé -Manilha) e RJ-122 (Rio-Friburgo).

 

5 – CIDADE SERRA-MAR
Além da necessidade de implementar a sinalização turística no município, é primordial destacar a geografia serra-mar da cidade e orientar melhor nossos visitantes, sendo primordial que haja investimento em publicidade voltada especificamente para a apropriação de nosso território de forma que o turismo local desperte o interesse de quem mora e também de quem passa por aqui.

 

6 – DISK-TURISMO
Criação de um 0800 e de um WhastApp exclusivo para o atendimento ao turista e também aos moradores interessados em informações sobre os atrativos locais. O atendimento telefônico representou, nos últimos cinco anos, cerca de 80% dos contatos feitos com a GuapimirimTur. Vale considerar para este atendimento os jovens formados no curso de Agente de Informações Turísticas pela Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), em 2018.

 

7 – CITY BRANDING
Desenvolvimento de uma marca para a cidade que se conecte a três diferentes públicos: turistas, investidores e munícipes. Mobilizar, conscientizar, aproximar e divulgar a cidade são alguns dos objetivos da iniciativa, que precisa ser sustentada por uma causa em comum. A estratégia de comunicação deve ser convergente entre si: identidade visual da cidade, canais on e off-line (internet, TV, rádio, jornal, outdoor etc.) e mídia espontânea (não paga).

 

8 – INVERNO & VERÃO
Devido à ausência de gestão no setor turístico da cidade, às altas temperaturas e a variedade de cachoeiras deram à cidade o rótulo de veraneia. No entanto, como o segmento pode sobreviver com movimento expressivo apenas durante três meses do ano? Há restaurantes que perdem toda sua mão de obra durante o inverno por falta de clientes. É preciso reposicionar a cidade, ressaltando também nosso clima durante as outras épocas do ano.

 

9 – REVITALIZAÇÃO DO MIRANTE DO SOBERBO
Melhorar a infraestrutura deste importante cartão-postal da nossa cidade, tornando-o um espaço mais atrativo e interessante, com um projeto que envolva design, jardinagem, área para alimentação, banheiro, atendimento ao turista, apresentações culturais etc. O redesenho do local precisa explorar o cenário visto de lá: nossas montanhas, vales e a Baía de Guanabara. Um marco que identifique nossa cidade explicitamente também se faz necessário.

 

10 – SINALIZAÇÃO TURÍSTICA
Por meio do Guia Brasileiro de Sinalização Turística, desenvolver um projeto que garanta a eficiência e a segurança do sistema viário para moradores e visitantes chegarem a seus destinos tanto em vias urbanas quanto no ambiente rural. A iniciativa pode ser financiada pela Secretaria de Estado de Turismo (SETUR), que já investiu na sinalização turística de cidades vizinhas e em outras regiões.

 

11 – RECONSTRUÇÃO DO CENTRO HISTÓRICO
O trecho entre o Banco Bradesco e o Grêmio Recreativo Musical Guapiense, no Centro de Guapimirim, ainda resguarda resquícios das fachadas e comércios que começaram a surgir no final do Século 19, quando foi inaugurada a Estação de Trem Raiz da Serra de Guapimirim. Em 1950, era inaugurado ali o primeiro e único cinema da cidade. Sua fachada pode ser reconstruída a fim de valorizar a região e torná-la mais turística e atrativa.

 

12 – RUA DAS CONCHAS
Atrelar o primeiro trecho da Rua Alcindo Guanabara a este “Novo Centro Histórico”, tornando-se uma área turística exclusiva para pedestres (como a Calçada da Fama, em Teresópolis). Além de valorizar o comércio local, a cidade ganha um espaço público diferenciado e que conversa com seu passado. A pavimentação pode ser feita com as conchas de sambaquis do Vale das Pedrinhas. A rua seria uma grande homenagem aos nossos primeiros habitantes.

 

13 – FEIRINHA DA CIDADE
Realizar aos sábados uma grande feira que integre a atual Feira Orgânica e Agroecológica de Guapimirim e os artesãos da cidade interessados em expor e comercializar seus trabalhos. O espaço também poderia contar com apresentações culturais, pequenos shows e eventos em geral. Uma forma inicial de movimentar o espaço seria dar um vale-feirinha de valor simbólico para os funcionários da PMG, para estimular o consumo local.

 

14 – CINE CLUBE GUAPI
Sugerimos a desapropriação do terreno onde funcionava o antigo Cine Guapi, nas décadas de 50 e 60. O espaço, que teve sua fachada demolida sem nenhuma intervenção do poder público municipal, pode voltar a funcionar como um Cine Clube. Ainda há moradores filhos de ex-funcionários do local, que podem ajudar a remontar essa história de nossa cidade. O Cine Clube pode abrigar iniciativas como festivais, concursos, cursos de capacitação etc.

 

15 – MUSEU DO TREM
Transformar em um museu o prédio da Estação Ferroviária em parceria com a SuperVia para valorizarmos a história da antiga Estrada de Ferro Therezopolis e atrairmos mais visitantes. A última estação em direção à serra, hoje também é a última estação do Ramal Saracuruna. Das onze paradas do antigo circuito, seis ficavam aqui. A Maria Fumaça turística que circulou na cidade na década de 90 poderia retornar. Atualmente ela se encontraria em São Lourenço-MG.

 

16 – CAMINHO DO TREM
Revitalização da Estrada da Barreira (Barreirinha), prestigiando seu caráter boêmio e cultural com pintura colorida das fachadas, regulamentação de comércios, saneamento básico, análise de áreas de riscos, cuidado com o Rio Soberbo, apoio ao Espaço Cultural Estação Maria da Paz e outras iniciativas. A temática do roteiro seria o antigo percurso que o trem fazia ao subir a serra, conectando o Centro à Barreira, onde ainda há vestígios dessa história.

 

17 – MUSEU DO SAMBAQUI
Desapropriação de uma pequena parte da Fazenda Santa Inês, às margens da BR-493, no Vale das Pedrinhas, onde fica o Sambaqui Sernambetiba – um dos maiores da cidade e o mais preservado. Saquarema e Rio das Ostras já contam com um museu dedicado a esse verdadeiro patrimônio histórico, que tem capacidade de atrair turistas, estudantes e pesquisadores. Buscar parceria com instituições como UFF, UFRJ e IPHAN, além da iniciativa privada.

 

18 – PARQUE MUNICIPAL DA SAUDADE
Desapropriação da área verde que há após a antiga fábrica de bombas Worthington, em frente à antiga Aranda. Falta na cidade um espaço aberto ao público, arborizado e que proporcione bons momentos para moradores e familiares. Poderia ser trabalhado no local o conceito de jardim comunitário. Também poderiam ser plantadas árvores no local para homenagear postumamente guapimirienses importantes para a história de nossa cidade.

 

19 – MUSEU DO CARNAVAL
Além da revitalização do Grêmio Recreativo Musical Guapiense, fundado em 9 de abril de 1956, pode ser criado no espaço uma exposição fixa sobre o já tradicional Carnaval de Guapimirim. Alegorias, adereços, fotos, áudios, vídeos e documentos precisam ser reunidos a fim de relembrar esta história – que começa em abril de 1927, com a criação dos primeiros blocos carnavalescos da cidade: União dos Pedreiros, Boca Negra e Amendoeira.

 

20 – MONUMENTO REAL
Busto em homenagem à Princesa Anne da Inglaterra. Em 1986 a filha de Elizabeth II esteve em nossa cidade para inaugurar um novo espaço do Centro de Primatologia do Rio de Janeiro, localizado no Paraíso. A visita, que teria mobilizado até mesmo agentes da Scotland Yard, fez nascer a lenda de que a Rainha da Inglaterra já havia pisado em nossas terras. Artistas plásticos da cidade podem confeccionar a escultura.

 

21 – MONUMENTO AOS ÍNDIOS
Escultura em homenagem aos tamoios e timbiras, índios que habitavam a nossa região antes da chegada dos portugueses. O monumento é uma forma de contar e valorizar a história de Guapimirim, que resguarda em seu próprio nome a herança de nossos guerreiros (Aguapehy-Mirim significa Nascente Pequena na língua tupi).

 

22 – MONUMENTO DO PERDÃO
Escultura em memória e homenagem aos negros feitos escravos em nosso território logo após a chegada dos portugueses. Nossa cidade, que ainda pode ouvir os relatos de netos e bisnetos de homens e mulheres escravizados, foi palco da colonização e ainda resguarda vestígios intactos deste triste capítulo da História do Brasil. A inciativa também é uma forma de posicionar a cidade contra o racismo vigente até os dias de hoje.

 

23 – MONUMENTO ÀS PARTEIRAS
Escultura em memória e homenagem às parteiras que deram à luz toda uma geração em nossa cidade. Mulheres como Maria Gerônimo e Dona Deolira, que atuavam principalmente nos bairros Caneca Fina, Limoeiro e Iconha, foram esquecidas da memória popular. É necessário fazer um levantamento sobre quem eram elas, consultando os mais antigos de cada bairro e familiares. O número aproximado de parto realizado por cada uma impressiona.

 

24 – MATA ATLÂNTICA AVENTURA
Buscar investidores interessados em desenvolver uma área de arvorismo em Guapimirim. A iniciativa pode e deve ser totalmente sustentável, proporcionando uma nova opção de lazer na cidade, em plena Mata Atlântica. De maneira lúdica, didática e esportiva os participantes podem vivenciar uma experiência única em meio à natureza. O percurso entre as árvores conta com tirolesas, obstáculos, pontes, cabos de aço, passarelas, cordas, redes, túnel etc.

 

25 – GUAPI CODE
Inserção de pequenos totens com QR Code próximo aos atrativos turísticos da cidade, possibilitando os visitantes saber mais sobre a atração. A ideia é que, utilizando um smartphone com internet, o usuário consiga visualizar um conteúdo adicional por meio da tecnologia. Fotos, vídeos, áudios e páginas especiais podem estar atreladas a um aplicativo sobre o turismo da cidade. A experiência abre inúmeras oportunidades ao trade turístico local.

 

26 – CORRIDA SOBRE PEDRAS
Fortalecer nova modalidade esportiva que desperte a atenção tanto de atletas em geral e curiosos quanto da imprensa. O “Cachoeira Radical”, evento realizado na cidade em 2008, mobilizou moradores, atraiu visitantes e ganhou uma boa repercussão na mídia. Possibilidade de patrocínio de grandes marcas – como a Red Bull, que costuma investir em eventos de esporte e aventura diferenciados e ainda pouco conhecidos.

 

27 – AZULEJOS DA GRATIDÃO
Instalar azulejos decorativos em frente às residências onde nasceram e viveram pessoas importantes para Guapimirim. Informações como data de nascimento e morte e um breve resumo sobre sua atuação devem constar nas peças. A iniciativa enobrece a cidade, pois reconhece aqueles que fizeram algo significativo por ela, homenageia as famílias, reconhece bons exemplos e demonstra a preocupação da gestão pública em valorizar nosso passado.

 

28 – MEMÓRIA VIVA
Instalação de placas de identificação em frente aos pontos históricos de Guapimirim. Além do efeito decorativo e informativo, a iniciativa visa valorizar o passado da cidade por meio do resgate de nossa memória. As peças podem ter uma identidade visual única ou podem ser desenhadas por diferentes artesãos locais. Elas devem conter também um pequeno resumo sobre cada local para que moradores e visitantes conheçam mais a nossa história.

 

29 – CEMITÉRIO DE ESCRAVOS
Restaurar o antigo cemitério de escravos que havia na Capela de Nossa Senhora D’Ajuda, no bairro de igual nome (mais conhecido como Cordovil), transformando-o em sítio arqueológico. Segundo moradores, o então Padre José Luiz Montezano resolveu calçar e edificar uma cobertura sobre o cemitério devido a um boato de que tais vestígios poderiam valer grandes quantias em dinheiro, enquanto o real valor deste patrimônio é apenas histórico.

 

30 – FEIRA NOTURNA DO SOBERBO
Reurbanizar as margens do Rio Soberbo na chamada “Rua da Cachoeira” visando criar um novo espaço de convivência entre moradores e visitantes, com possibilidade de movimentar setores importantes como gastronomia (comida de rua), arte, cultura etc. A iluminação dessa parte da cachoeira, que precisa ser melhorada, chegou a ganhar destaque na imprensa devido à valorização da região. A iniciativa pode acontecer inicialmente somente durante o verão.

 

31 – AGENTE VERDE
Formação de jovens para atuarem como agentes de conscientização e fiscalização nos fins de semana. A ação seria um apoio ao choque de ordem que se faz cada vez mais necessário nas principais cachoeiras e pontos turísticos da cidade, como Barreira, Concórdia, Iconha, Caneca Fina, Limoeiro, Garrafão, Paraíso e Mirante do Soberbo. O programa pode envolver alunos da rede pública de ensino e da Faetec, que ganhariam uma ajuda de custo por dias trabalhados.

 

32 – MIRANTE DA BARREIRA
Construção de um mirante na parte alta da Rua Professor Rocha Faria, paralela à Estrada da Barreira. O local foi “descoberto” recentemente e tem sido bastante acessado, mas falta infraestrutura.  Analisar viabilidade de buscar parceria com a iniciativa privada para a construção de um empreendimento no local que atraia moradores e visitantes devido ao visual e possíveis ofertas ao redor (restaurante, bar, cruzeiro, monumento etc.), contribuindo para o desenvolvimento local.

 

33 – HISTÓRIA DOS BAIRROS
Instalação de placas de sinalização em cada bairro tanto para contribuir com a localização de moradores e visitantes quanto para valorizar a história da cidade. A ideia é que em cada uma delas haja um resumo sobre a origem do nome dos bairros com datas, lendas, curiosidades e até mesmo fotos antigas. Também é possível listar quais atrações podem ser encontradas na localidade em questão, ampliando o conhecimento de munícipes e turistas sobre a cidade.

 

34 – FAZENDA SEGREDO
Possível desapropriação da centenária Fazenda Segredo, além de necessário tombamento via Instituto de Patrimônio Histórico Nacional. A partir daí surge a possibilidade de se obter verbas que custeiem projetos de revitalização da propriedade. Outra opção é dar incentivo aos atuais proprietários com o intuito de estimular o primeiro hotel-fazenda de Guapimirim no local, que oferece uma visão privilegiada da cidade assim como vestígios importantes do passado.

 

35 – MUSEU DA COTIA
Estipular como contrapartida para as inúmeras autorizações de loteamento do bairro Cotia (uma das últimas áreas rurais dentro do perímetro urbano da cidade) a construção de um pequeno museu que resguarde a interessante história do bairro por meio de documentos, fotos, maquetes, depoimentos etc. Uma opção de local seria a casa n.º 2 da Rua da Fazenda Constância, que mantém a arquitetura da antiga vila de funcionários.

 

36 – ROTA DOS JEQUITIBÁS
Mapear os jequitibás centenários de nossa cidade, propor projeto de lei que os proteja enquanto patrimônio natural de Guapimirim e criar uma trilha de médio percurso que conecte todos eles. Sabe-se de pelo menos oito árvores da espécie em nossa Mata Atlântica, sendo a que está presente na localidade do Ouro a mais conhecida. É importante consultar especialistas para saber a idade aproximada de cada uma delas.

 

37 – ECOLMEIA
Fomentar a criação de abelhas sem ferrão na cidade, como a jataí e a mandaçaia, tão importantes no processo de reflorestamento da Mata Atlântica. Uma caixa-colmeia por casa, um voluntário monitor por bairro. Eduardo Farinha, morador do Monte Olivete, é referência no assunto e pode colaborar com a ideia. As abelhas acabaram de entrar para a lista de animais em extinção e são responsáveis dois terços do que comemos devido à polinização.

 

38 – CENTRO CULTURAL HENRIQUE BERNADELLI
Transformar o antigo casarão do pintor Henrique Bernadelli, já tombado pela Prefeitura Municipal de Guapimirim, no primeiro centro cultural da cidade. O espaço contribui para a formação de novos artistas, inclusão social da comunidade na cadeia produtiva da cultura, realização de eventos e atividades que atraiam visitantes e valorização dos artistas plásticos e artesãos da cidade, que passarão a contar com um lugar para apresentarem seus trabalhos.

 

39 – CIRCUITO DAS FAZENDAS
Fomentar a prática Off Road na cidade de maneira sustentável contendo a degradação de nossas florestas, rios e nascentes, como eventualmente acontece. Jeep, motos, carros 4×4, gaiolas, bikes, quadriciclos e outras modalidades podem ser mais exploradas em circuitos montados exclusivamente dentro de propriedades privadas com grande extensão territorial. A criação de diferentes percursos irá atrais mais grupos e eventos do segmento.

 

40 – CASA DO AMIGO BICHO
Fundar espaço de amparo e recuperação para animais vítimas de atropelamentos nas rodovias que cercam a nossa cidade. O local pode se tornar uma referência na região para a conscientização ambiental da sociedade, sendo também mais um local de visitação. A iniciativa pode contar com o apoio da Concessionária Rio-Teresópolis, além de uma possível parceria com os cursos de Veterinária de universidades do entorno, como UNIFESO e UFF.

 

41 – CANTO DO MIRANTE
Estipular um horário diário durante o pôr-do-sol para uma apresentação musical no Mirante do Soberbo, em agradecimento a mais um dia e também para propiciar a contemplação de nossas belezas naturais. O espetáculo é uma forma de melhorar a experiência de moradores e visitantes no local, tornando o canto uma tradição em Guapimirim. Instrumentos como saxofone e violino seriam os mais recomendados. Possível parceria com o Grêmio Musical.

 

42 – REVITALIZAÇÃO DA PRAÇA DA EMANCIPAÇÃO
Já há algum tempo a Praça da Emancipação deixou de ser um bom lugar a ser frequentado por visitantes e moradores acompanhados de suas famílias. Uma análise sobre o trânsito local e os comércios do entorno atrelada a um projeto de revitalização se faz urgentemente necessária para garantir a devida apropriação dos espaços públicos por parte da população, a atração de novos moradores e a apresentação adequada da cidade para turistas.

 

43 – SKATEPARK DA PAULO TERRA
Revitalização da Praça Paulo Terra com o intuito de criar um novo e diversificado espaço de convivência, com ralph e áreas de skate, quadra poliesportiva, parque, academia popular etc. Tornar a praça frequentável para diferentes grupos e famílias, inclusive durante a noite, atraindo comerciantes, vendedores ambulantes devidamente cadastrados, visitantes etc. No local também podem ser realizados inúmeros eventos e iniciativas públicas.

 

44 – CORETO CONECTADO
Criação de dois coretos na cidade para a socialização de jovens e adolescentes. Para atrair essa faixa etária seria necessário disponibilizar internet via Wi-Fi gratuita no local, além de um canal na internet no qual conteúdos produzidos ali fossem compartilhados pelos frequentadores, com opção de fóruns de discussão, enquetes etc. Intervenções artísticas e pequenas estantes de livros a serem doados/emprestados tornariam o lugar ainda mais interessante.

 

45 – ENCANTO DAS ÁGUAS
Criação de um espetáculo musical diário, com um verdadeiro balé de luzes, em um grande chafariz localizado na Praça da Emancipação. Construí-lo de forma sustentável, com captação de água da chuva e energia solar. A apresentação pode ser gravada e levada ao ar durante todo o anoitecer, tornando-se também uma tradição na cidade.

 

46 – ESTAÇÃO DA ARTE
Realização de concurso de grafite que envolva a cena underground fluminense. Tema: Guapimirim, um paraíso ecológico cravado entre a Serra dos Órgãos e a Baía de Guanabara. A iniciativa, que pode ser patrocinada por grandes marcas, deve ser implementada no muro principal da Estação Ferroviária, no Centro. A ideia é que o muro traga um ar de modernidade a uma parte histórica da cidade, servindo de atração para moradores e turistas.

 

47 – CONEXÃO GUAPI-PAQUETÁ
Nossa cidade está mais próxima à Ilha de Paquetá do que a própria cidade do Rio de Janeiro. Investir em amplo estudo de viabilidade técnica para abertura de licitação para transporte público via marítima Guapi x Paquetá (com conexão para o Rio de Janeiro). Um projeto piloto para fins turísticos pode ser implementado como um primeiro passo, em parceria com a Área de Proteção Ambiental de Guapimirim, responsável por avaliar possíveis impactos ambientais.

 

48 – ESTRADA REAL
Inscrição de Guapimirim no Programa Estrada Real, a maior rota turística do país (1.630 km entre Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo). Nossa cidade fez parte de um dos atalhos do Novo Caminho do Ouro e ainda resguarda parte desta história ainda desconhecida pela maioria dos moradores e visitantes. Criado em 1999, o Instituto Estrada Real tem como objetivo organizar, fomentar e gerenciar a Estrada Real, tornando-a um destino valorizado e reconhecido.

 

49 – CAMINHO DO OURO
Revitalizar o único trecho preservado do Caminho do Ouro em nossa cidade, no início da Rua Imperial. O calçamento de pedras encaixadas (pé-de-moleque) é característico das estradas construídas a partir do século 17 para a passagem da Coroa Portuguesa e das riquezas vindas de Minas Gerais até os portos do Rio de Janeiro. Estruturar e sinalizar um circuito para caminhadas, contemplando também a histórica Capela de Sant’Ana, no Bananal.

 

50 – FESTA DO AIPIM
Eis a maior vocação de nossa cidade. Documentos oficiais revelam toda a contabilidade da produção de farinha feita com mão de obra escrava durante o século XVI em Guapimirim. Até hoje a mandioca é fonte de renda de boa parte de nossos agricultores e agricultoras. Promover uma grande festa, tornando-a tradicional, engrandece e fortalece o calendário de eventos da cidade (que precisa ser estruturado, inclusive com a volta do Festival de Inverno).

 

51 – PARNASO + PERTO
Estipular um acordo com o Parque Nacional da Serra dos Órgãos visando a abertura permanente do segundo portão da Sede Guapimirim, na Barreira, com o intuito de aproximar os moradores de nossas belezas naturais e prédios históricos. Seria possível ir até o Parque caminhando. Atualmente quem não tem transporte próprio depende exclusivamente da Viação Teresópolis e precisa atravessar a rodovia na hora de retornar.

 

52 – TRAVESSIA SERRA DOS ÓRGÃOS
Reivindicar ao Parnaso a alteração do nome da Travessia Petrópolis-Teresópolis enquanto oferta turística, uma vez que Guapimirim e Magé também estão no percurso. Nossa cidade ainda abriga o maior trecho do trajeto: 36%. O Parnaso já divulgou tal informação a pedido da GuapimirimTur, mas ainda é pouco. Também é necessário sinalizar o percurso indicando nosso território para que o visitante reconheça onde fica cada montanha.

 

53 – MEMORIAL DOS AFRICANOS
Criação de uma obra de arte a céu aberto, próximo a dois pontos históricos de nossa cidade: a Capela de Sant’Ana e o Cemitério do Bananal, criado no século XVIII para enterrar as vítimas das epidemias de febre amarela e malária que atingiram nossa cidade nos tempos do Novo Caminho do Ouro. Como os homens e as mulheres escravizados eram mais vulneráveis por viverem em condições precárias de vida, eram eles a grande maioria dos mortos ali sepultados.

 

54 – TEATRO MUNICIPAL
Viabilizar a construção de um Teatro Municipal ou de uma Lona Cultural na cidade para ampliar o acesso da população a espetáculos musicais, peças teatrais, concertos, exposições etc. O espaço deve atuar na formação de talentos guapimirienses, além de ser um grande incentivo à cultura. O espaço também seria um cartão-postal para a cidade, com possibilidade de atrair visitantes a partir dos eventos a serem realizados.

 

55 – CACHOEIRA PARA TODOS
Tornar trechos dos rios acessíveis para pessoas com deficiência com o objetivo de deixar a cidade mais acolhedora e inclusiva, oferecendo recursos assistivos para diferentes tipos de deficiências, como cadeira anfíbia, esteiras, rampas, intérpretes, informações em braille etc. Atrair voluntários para atuarem em atividades específicas durante o verão, como acontece no “Praia Para Todos”, realizado pelo Instituto Novo Ser (possível parceiro).

 

56 – SORO ANTIOFÍDICO
Cravada em meio à natureza, em plena Mata Atlântica, Guapimirim conta com uma grande variedade de serpentes. Muitas delas venenosas, como a jararaca, a coral e a jararacuçu. Nossa cidade é a única da Serra Verde Imperial que não conta com exemplares de soro antiofídico. A demanda é urgente, uma vez que cada vez mais pessoas frequentam nossas trilhas. Solicitar substância produzida pelo Instituto Vital Brazil ao Ministério da Saúde.

 

57 – CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE
Entre 2015 e 2020, a GuapimirimTur levou informações sobre o patrimônio cultural, natural e histórico para mais de 4 mil alunos da rede pública de ensino e para mais de 200 professores concursados e contratados (confira alguns posts sobre essa iniciativa aqui e aqui). Sugerimos a inclusão de aulas sobre a História de Guapimirim na grade curricular dos alunos da rede pública de ensino e promover expedições regulares para pontos turísticos da cidade. Nossa experiência com esta atividade mostra que, no decorrer dos encontros, a mudança de postura dos alunos em relação à cidade era positivamente perceptível, inclusive com melhoria de autoestima a partir de uma maior compreensão sobre as riquezas do lugar onde vivemos.

 

58 – HORTAS COMUNITÁRIAS
Mapeamento de terrenos baldios e identificação de proprietários para a criação de hortas comunitárias. Além de estimular o consumo consciente, promover a participação popular, colaborar com a distribuição de alimentos e atrair a atenção de turistas, a inciativa contribui para a segurança pública local, pois torna espaços ermos em áreas úteis. Possível parceria com associações de agricultores agroecológicos de Guapimirim, Emater, Senar, Sebrae etc.

 

59 – CASA DO ARTESÃO
Nossa cidade conta com centenas de pessoas que vivem de fazer arte com as próprias mãos. No entanto, a categoria encontra dificuldades para expor seu trabalho e comercializá-lo, sendo um dos mais vulneráveis na cadeia do turismo. Em uma iniciativa recente, um pequeno grupo de artesãs criou o Espaço do Artesanato em uma casa alugada próxima à Praça da Emancipação. No entanto, o alto custo com o local está sempre prestes a inviabilizar a iniciativa. A Prefeitura Municipal de Guapimirim poderia arcar com esta despesa ou criar um novo espaço para que os mais de 70 artesãos locais contemplados com a Carteira Nacional do Artesão tenham aonde mostrar seu trabalho. Em contrapartida, os expositores poderiam realizar trabalhos voluntários em escolas públicas do município e junto às pessoas atendidas por entidades como o Centro de Atenção Psicossocial, o Centro de Referência de Assistência Social e o Polo do Idoso.

 

60 – # EU AMO GUAPI
Criar e instalar escultura interativa com a hashtag Eu Amo Guapi, tornando a declaração uma atração turística na cidade. A estrutura precisa seguir o padrão de modelos instalados em outros lugares do mundo, como Amsterdã (I amsterdam) e Rio de Janeiro (RIO TE AMO). Para atrair o público, a peça precisa ser atrativa e estar inserida em um local que o contextualize, como praças, parques, espaços públicos, cartões-postais etc. A gestão anterior criou somente um totem do tipo, mas há a oportunidade de torna-lo mais bonito e moderno, além de ser necessário instalar mais versões em outros pontos importantes da cidade, como Mirante do Soberbo, Cotia, Caneca Fina, Parada Modelo etc.

Guapimirim, 6 de janeiro de 2020.

Atenciosamente,
Rafael Coelho Machado dos Santos
Jornalista, Mestre em Turismo e Fundador da GuapimirimTur
www.visiteguapimirim.com

 

Este post tem 3 comentários

  1. Olá, são ótimas as propostas para esse lugar maravilhoso que é Guapimirim, com certeza fortalecerá ainda mais a estrutura e o desenvolvimento no turismo.

     
  2. Cleverson

    Rafael, parabéns pela iniciativa.
    Sucesso sempre!
    Abraços,
    Cleverson

     
  3. Aline

    Lindo projeto! Se tiver abaixo assinado podr contar comigo

     

Deixe uma resposta