Este slideshow necessita de JavaScript.

 

A construção da Capela de Sant’Ana está diretamente ligada à criação do Caminho do Ouro, que conectava o Rio de Janeiro às regiões mineradoras por meio da Baía de Guanabara. Naquela época, a localidade conhecida atualmente como Bananal se chamava Calundu, onde também ficava a fazenda do capitão Gaspar da Silva Borges, responsável por erguer a capela dedicada à mãe de Nossa Senhora. Foi aberta ao público em 1731, quando motivou o surgimento de um povoado em seu entorno chamado Porto Modelo (ponto de parada dos viajantes que subiam a serra).

Por conta de uma série de epidemias e febres, foi construído na região um cemitério – o único da cidade até hoje. Na capela constavam inúmeros registros de escravos, identificados apenas com o primeiro nome, que foram sepultados no local. A imagem original de Santa Ana, do século XVIII, foi roubada nos anos 70. Além de missas semanais, as celebrações paroquiais da Semana Santa também são realizadas na Capela de Sant’Ana.

 

 
Translate »